sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Entrevista para o jornal O Povo: Bolsas mundiais ficam perto do crash. Bovespa cai

Nessa sexta-feira, 19/08/2011, dei uma entrevista por telefone para o jornal O Povo.
Você pode ver a matéria completa em: http://www.opovo.com.br/app/opovo/economia/2011/08/19/noticiaeconomiajornal,2281855/bolsas-mundiais-ficam-perto-do-crash-bovespa-cai.shtml


Bolsas mundiais ficam perto do crash. Bovespa cai

Bolsas de Valores mundiais registraram queda acentuada nesta quinta-feira. As perdas no Brasil chegaram a 3,52% na Bovespa o que deixou investidores apreensivos

As Bolsas do mundo inteiro sofreram forte turbulência. Ontem, somente no Brasil, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) despencou 3,52%, atingindo os 53.134 pontos. O giro financeiro foi de R$ 6,93 bilhões.

Com uma hora e 10 minutos de pregão, a perda chegou a quase R$ 88 bilhões, o que daria para comprar, em valores do fechamento do dia anterior, todas as ações juntas do Banco do Brasil e da petroquímica Braskem.

Nos Estados Unidos, o Dow Jones teve baixa de 3,68%. O Nasdaq, dominado pelo setor tecnológico, caiu 5,21%.

Preocupações sobre o nível de endividamento da Europa também prejudicaram os mercados. Alguns países pegaram tantos empréstimos que podem precisar de ajuda para pagá-los. Um calote de qualquer um deles prejudicaria os bancos europeus, que detém parte desses títulos.

Apesar de não ter a magnitude de um crash, a queda de ontem das bolsas mundiais foi suficientemente grande para deixar os investidores nervosos.

Investidores
Em Fortaleza, alguns investidores na Bolsa estão atentos às oscilações do mercado. Mas as perspectivas são boas, segundo relatam. 

A vendedora Erica Bilder, 23 anos, desde os 18 se interessa por bolsa de valores. Ela é uma home broker (investidores domésticos conectados ao pregão eletrônico) e afirma que o momento é o ideal para comprar. “Comprei ações de uma grande empresa e quando ela valorizou 20% eu vendi. A bolsa cai várias vezes mas ela sempre sobe”, diz.

Francisco de Assis Melo Jr., analista de sistemas, está como home broker há um ano e tem duas estratégias: não vender as ações de boas empresas e entrou no mercado de opções, que é um derivativo do de ações.

Mas aconselha esse apenas para investidores experientes. “Aproveitei o mercado em queda e comprei ações para vender na alta. Me aproveitei do pânico”, confessa. Aconselha a outros investidores a dividir meio a meio as aplicações - 50% na poupança ou renda fixa e 50% em bolsa.

O quê

ENTENDA A NOTÍCIA

A queda de dois dígitos do Ibovespa no acumulado do ano está mantendo os investidores pessoa física fora do mercado acionário. Surpreendeu o comportamento desses investidores, que não saíram em massa diante da crise.

SAIBA MAIS 

Cuidados no mercado

Quem pensa em entrar no mercado de ações, durante a queda das Bolsas, escolheu a hora certa. O processo de recuperação acontece mais cedo ou mais tarde.

Para os investidores já na Bolsa e que registram perdas, o momento é para ficar quieto. O investidor pode não ganhar o que esperava mas evitará perdas muitos maiores caso venda no pico da crise.

Quem quer segurança absoluta deve comprar ouro. No médio e longo prazo, a rentabilidade é baixa, mas a segurança é alta.

Procure ouvir a opinião de profissionais de investimento devidamente certificados.

Tenha em mente que é neste momento que surgem as melhores oportunidades de investimento. Investidores em fuga (efeito manada) estão tomando decisões irracionais e vendendo papeis valiosos a preço muito baixo, não condizente com a realidade.

Mantenha a atenção voltada para oportunidades e não para prejuízos.

Organize-se para realizar pequenas injeções de capital com periodicidade certa no mercado acionário. A disciplina torna o investidor mais equilibrado.

FONTE: Ibef-Nacional e Pax Corretora
Rebecca Fontes